11/06/2009

Sob o Outro Lado da Moeda


De Platão a Descartes e de Descartes aos pós-modernos sempre se pensou e pensará sobre a idiossincrasia idílica do real. Submersos na ilusão cotidiana, nossos olhos nos enganam, pintam fantasias para a mente distraída.

O que é real, afinal? Podes, acaso, ter certeza que estás acordado e não em um sonho? “Penso logo existo” ou penso logo: existo! (?)

Alguns, da Física, já afirmaram a ilusão coletiva em que vivemos. Tudo não passa de um aglomerado de energia em movimento formando aquilo que queremos crer, afirmam eles. Será a mente um esconderijo da realidade?

Como ter certeza que estamos aqui, que o quê vemos é exatamente o que está ali? Será a sua imagem refletida pelo espelho a mesma que vejo em você? Ou será que o espelho mente, mostrando apenas aquilo que você quer ou consegue ver?

Como escapar dessa roda gigante, desse poço sem fim, dessa bizarra tentação do pensar...?

Ariane também refletia sobre isso, e debatia o assunto sempre que tinha a chance. Em geral, as pessoas fugiam dela, mas algumas sempre restavam para ouvir seus argumentos. Talvez as que se consideravam mais loucas que ela e, portanto, não acreditando correr risco algum. Ela sempre foi aficionada por literatura e ciência. Devorava tudo o que via pela frente. Seus gêneros favoritos eram todos aqueles que, de alguma forma, lhe acrescentassem conhecimento. Até o dicionário já leu uma vez. Observe, eu digo leu, e não consultou.

Agora estava com 23 anos. Uma moça bonita, de belos cabelos ondulados, altura mediana, olhos adocicados, sorriso claro e um temperamento de Rapunzel. Apesar dos deliciosos dotes físicos que a acompanhavam, Ariane nunca havia namorado. Jamais se interessara por rapaz algum, até este dia.

Quando deixava a biblioteca, chocou-se violentamente com ele, Marcos, e ao apanharem juntos os livros, que rolaram escada abaixo, seus olhares se encontraram e o destino de Ariane mudou para sempre.

– Ai... ele é tão bonito! Você precisa conhecê-lo, Cláudia.

– Ele te convidou para sair?

Sim. Me ligou hoje.

E como conseguiu seu número?

– Não sei! Talvez eu tenha deixado cair de algum livro quando eles rolaram pela escada. Ah!... Mas isso pouco importa! O que interessa é que estou apaixonada, e isso não acontece com freqüência.

– Não acontece mesmo! Há quanto tempo nos conhecemos? Dois, três anos?

É, acho que é isso.

– E nesse tempo todo eu nunca vi você se interessar por ninguém. É realmente impressionante, quase um milagre.

– É que eu estava muito ocupada. Mas agora cansei dessa vidinha monótona. Quero um pouco de aventura. O destino finalmente abriu suas portas para mim.

– Já falei que esses livros vão acabar te enlouquecendo. Faz bem em sair um pouco, ter vida social, pra variar. Você vive enfurnada no quarto ou na biblioteca, estuda e lê o dia inteiro. Nem tem amigas.

– Tenho você!

– É, mas fora eu não existe mais ninguém.

Ariane morava sozinha em uma quitinete alugada no centro da cidade. Quando começou a faculdade duas garotas dividiam com ela o quarto e sala, mas logo se deram conta de que não daria certo e cada uma seguiu seu caminho. Cláudia era a única amiga com que Ariane podia contar. As duas se conheceram na biblioteca, num incidente parecido com o ocorrido com Marcos, só que dessa vez com uma dúzia de canetas se espalhando pelo chão da biblioteca.

– Psiiiiii....!!!!!! – fez a moça que zelava pelo silêncio.

– Acho que hoje estamos conversando demais Ariane.

– É verdade – disse rindo – hoje eu estou muito ansiosa. Mal posso esperar a noite chegar.

– Agora vamos estudar, as pessoas já estão nos olhando com cara feia.

– Isso sempre acontece comigo. Às vezes acho que sou a única pessoa deste mundo que não pode conversar. – falou, rancorosa, aumentando a voz e voltando a se debruçar, em sinal de protesto, sobre os livros.

A noite custou a chegar, mas, enfim, chegou. Ariane não demorou nada para se arrumar, afinal, era tão raro uma saída à noite que ela já não tinha praticamente nenhuma roupa para a ocasião. Marcos, as nove em ponto, interfonou para seu apartamento.

– Nossa, que pontual! – disse, olhando aflita para o relógio.

Encontraram-se à porta do prédio, cumprimentando-se com um singelo beijo no rosto, acompanhado de perto pelo porteiro.

– Esses porteiros... são tão indiscretos. – comentou Ariane – vamos sair daqui! Onde está o seu carro?

– Eu vim a pé.

– Ah....!

E seguiram, caminhando, até um famoso restaurante de frutos do mar localizado a duas quadras dali.

– Mesa para dois, por favor! – disse o rapaz ao garçom.

– Sim, Senhorita? – respondeu o garçom, sem sair do lugar.

– Mesa para dois – repetiu Marcos.

O garçom continuou imóvel, olhando de forma estranha para Ariane. “Será que ele me conhece de algum lugar?” pensava ela, já um pouco constrangida com a situação.

– O senhor pode por favor nos providenciar uma mesa – disse ela, por fim.

– Com todo prazer – respondeu o garçom, se retirando de imediato.

– Não se fazem mais garçons como antigamente – retrucou Marcos, mal humorado.

Ariane riu e lhe deu um beijo no rosto. Marcos olhou admirado para a menina, que corou instantaneamente, também admirada com seu gesto impensado. “Ai, que vergonha, que vergooonhaaa!!! Por que eu fiz isso, meu Deus?” Pensava ela, enquanto sentia o rosto queimando.

Não demorou e o garçom voltou para conduzi-los á mesa.

– Faça o favor de me acompanhar, senhorita!

O jantar seguiu delicioso, apesar de um pequeno incidente com os pratos. Marcos era de inteligência e humor fascinantes. Tudo parecia um sonho, um conto de fadas, como nos livros. E tudo seguiria assim, perfeito, se não fosse por um pequeno detalhe: Quando já haviam terminado o jantar e saboreavam juntos a garrafa de vinho, um homem, trajando preto, após umas palavras ao garçom, se aproximou da mesa do jovem casal.

– Senhor Marcos Villamport ?

– Sim!

– Por favor se levante e venha comigo. Vamos evitar uma cena aqui!

– O que está acontecendo? – Ariane perguntou aflita.

– Não se meta mocinha, esse é um assunto do qual é melhor ficar fora.

– Ele tem razão, Ariane. Fique aqui, vai ser melhor para você.

Marcos se levantou, entregou um dinheiro para o garçom e saiu com o homem. Todos no restaurante olhavam indagadores para Ariane, que estava extremante envergonhada. Ela levantou e , sem olhar para os lados, saiu do restaurante.

Começou a caminhar de volta para casa e percebeu, em meio ao turbilhão de seus pensamentos, que estava sendo seguida. “O que vou fazer agora?” se perguntava enquanto apertava o passo na tentativa de despistar os homens. Os dois se aproximavam e, por se julgar bem próxima de casa, Ariane começou a correr. A noite se transformara em um terrível pesadelo. Ariane corria, os homens se aproximavam, e quanto mais corria, como num sonho, mais distante parecia ficar. “Isso não vai acabar bem. Nos romances nunca acaba!” pensava ela, enquanto corria.

Agora, de salto quebrado e pé torcido, a menina se recostava no muro na virada de uma esquina, chorando, a espera de seus perseguidores, que se aproximavam, ou de um milagre que a salvasse.

E foi quando o inesperado aconteceu. Antes que os homens a alcançassem, do outro lado da rua, Cláudia vinha passando. Um grito de pavor se precipitou da garganta de Ariane ao chamar o nome da amiga. Ariane correu para o outro lado da rua. De um lado os homens vinham chegando, de outro, Cláudia permanecia estática, sem entender, e dá rua, sem que Ariane percebesse, um carro vinha e a atingia em cheio, atirando seu corpo de encontro ao asfalto morno.

Não demorou nada para a ambulância e os carros de polícia chegarem. Mas chegaram tarde, Ariane estava morta. O relógio da igreja, perene e insondável, marcava o horário do óbito: Meia noite e cinco minutos. Cláudia se debruçava sobre o corpo inerte e ensangüentado chorando a amiga perdida. Os dois homens desapareceram no ar. De Marcos, ninguém nunca mais ouviu falar.

Essa foi uma das verdades. Porém, sempre existe o outro lado da moeda, a outra face da realidade que merece ser vista. Enquanto a polícia tentava isolar o corpo, na fatia oposta da cidade, a oeste dali, em uma clínica psiquiátrica, Ariane entrava em coma.

– O que nós vamos fazer, doutor? – perguntava a enfermeira, penalizada.

– Infelizmente não há mais nada que possamos fazer, Cláudia.

– Mas ela ainda está viva, deve haver alguma coisa...

– Para nós ela está viva, mas em sua mente ela acredita que morreu. Não vai demorar muito para que o corpo também se convença disso. O coma é irreversível.

Cinco minutos mais tarde e os aparelhos acusavam a parada cardíaca e, embora tudo fosse feito para tentar voltá-la à vida, Ariane estava morta. Já havia morrido, uma hora antes, no acidente.

– Hora do óbito: Uma hora e cinco minutos. – disse o médico.

– Ao menos ela vai descansar. Eu não agüentava mais vê-la sofrendo assim. Já faz cinco anos desde que chegou aqui.

– É, mas agora acabou. – disse o médico, retirando as luvas e atirando-as ao lixo.

– Doutor Marcos, acha que ela sabia que eu a considerava como uma amiga?

– De alguma forma sabia, Cláudia. Do jeito dela, eu creio.

Ariane tinha sua própria realidade e vivia nela, até o dia em que decidiu já ser hora de, como nos romances, por o ponto final. Essa, não era uma história com final feliz como tantas outras que criara pra si. Nessa, a personagem principal devia morrer.

Na vida, é costume se criar histórias, muitas têm um final feliz, outras não. Todas fazem parte dessas muitas realidades que, queremos acreditar, são reais.



AUTOR: Sávio Damato

Nenhum comentário:

Blog Widget by LinkWithin